16.4.06

A cidade vaga

Bati. A senha, gritaram. Remexi os bolsos, o bordo das meias, o resto. Nada. Empurrei a porta entreaberta. Lá dentro, o eco.